A ascensão da Ayurveda no mercado de beleza, tecnologia de fragrâncias amigáveis ao microbioma e muito mais
Futuro

A ascensão da Ayurveda no mercado de beleza, tecnologia de fragrâncias amigáveis ao microbioma e muito mais

por Manuela Aquino

A Ayurveda nunca pareceu tão perfeita para a indústria da beleza. Se torna promissora além disso, no seu país de origem já é um mercado consolidado. Na Índia, vale 4 bilhões de dólares, segundo levantamento da Market and Researchers. O que é produzido por lá, em termos de beleza e bem-estar, representa 89% do mercado global. Estados Unidos, Nepal, França e Rússia são alguns dos países que mais importam esses produtos. E as marcas internacionais já perceberam aqui ali tem jogo. Um investimento de 12,5 milhões de euros é o que a Puig injetou na Kama Ayurveda, uma marca líder da Índia de produtos de beleza e cuidados pessoais, para promover a expansão doméstica e internacional da empresa. Com investimento da Estée Lauder, a Forest Essentials, vai expandir sua presença no Reino Unido nos próximos três anos. Este é o primeiro mercado internacional da marca indiana de produtos para pele e cabelo, com formulações baseadas na tradição.

A Ayurveda não é novidade para o Grupo Estée Lauder que já tem sob sua aba, desde 1997, a Aveda. Fundada há mais de quatro décadas na cidade norte-americana em Minneapolis pelo austríaco Horst Rechelbacher, a Aveda traz nos seus produtos os princípios da Ayurveda e passou os rituais para seus espaços de beleza no mundo. “Temos visto muitos produtos sendo lançados com alto grau de naturalidade e falando de princípio, mas consumidores atualmente querem ter confiança na marca e confiança não é uma trend, é uma raiz profunda”, diz diz Cris Dios, cosmetóloga, especialista em cabelos e representante da Aveda Brasil. Cris foi responsável por trazer para a América Latina o primeiro salão bioma da marca, que fica na rua Haddock Lobo, em São Paulo, e é o mais sustentável do mundo. Ali, além do tratamento nos fios e couro cabeludo com produtos naturais de alta performance, há o diferencial de haver uma experiência completa da cabeça aos pés . “Para começar, não chamamos de clientes, mas sim de convidados, que passam por experiências de aromaterapia, massagem, antes de cada processo”, fala. Para ela, o que é feito ali conversa com todas as vontades do consumidor. “Você investe seu tempo e dinheiro de um jeito que tenha benefícios e experiências mas que também não deixe um rastro no meio ambiente. Somos um só independentemente do lugar em que vivemos, nossas ações aqui estão conectadas com o que acontece do outro lado do mundo”, diz. Isso significa que é cada vez mais difícil comprar um produto só por comprar ou ir a algum lugar pelo costume ou pelo preço. Hoje, está cada vez mais claro que o consumidor busca três coisas: resultado, experiência e sustentabilidade. Nada mais ayurvédico do que isso.

TOP 4

1. Givaudan lança Z-biome, tecnologia para perfumes ligada ao microbioma
É a primeira tecnologia neste sentido na indústria da beleza. A Z-biome é uma ferramenta de design de fragrâncias que permite aos perfumistas da Givaudan criar aromas amigáveis ​​ao microbioma, levando em consideração a microflora da pele. Além dela, também foi anunciada a tecnologia Z-biome Deo — específica para produtos de higiene pessoal, como desodorantes. Segundo comunicado oficial da marca, “as novas tecnologias de fragrâncias são o resultado de extensos testes de ingredientes de perfumaria crus quanto ao seu impacto na população de bactérias mais comuns da pele”. Junto com essas duas novidades, ficará disponível ao consumidor a plataforma Z-biome, ferramenta que ajudará a criar produtos customizados.

2. Levantamento da Garnier reforça que pessoas querem mais sustentabilidade
Realizado com dezoito mil pessoas ao redor do mundo, incluindo Brasil, o One Green Step Report mostrou que o consumidor realmente está mudando sua mentalidade em relação ao meio ambiente. As perguntas feitas em oito países eram sobre duas principais questões: suas visões atuais sobre sustentabilidade e seus objetivos ambientais individuais. Para 41% delas, 2020 foi o ano que chamou a atenção para o assunto e fez pensar sobre o tema e agir no dia a dia – este dado foi de 56% entre os brasileiros entrevistados. A principal resolução para 69% deles é a redução no consumo de plástico. E muita gente ouvida pela Garnier está otimista, três quartos acham que hoje é muito mais fácil ser uma pessoa com condições de fazer ações no dia a dia.

3. Nivea lança refil ecofriendly de sabonete lá fora
A marca da Beiersdorf, lançou um sistema de sabonete líquido recarregável, o Nivea Ecorefill, que inclui uma garrafa feita com material reciclado, para ser reaproveitada, além de uma aba de refil. Está disponível em alguns lugares do mundo em três aromas diferentes: flor de algodão, capim limão e hibisco. Para recarregar o refil, o consumidor compra tablets, coloca na embalagem e mistura bem com água. A companhia dona da Nivea tem um compromisso com embalagens sustentáveis ​​como parte de sua estratégia corporativa CARE+, e promete que 100% de suas embalagens serão recicláveis, compostáveis ​​ou reutilizáveis ​​até 2025.

4. Centro de Pesquisa do Olfato é o novo projeto de O Boticário
O centro é uma ampliação do Núcleo de Inteligência do Olfato e surgiu pelos inúmeros casos de paciente de Covid-19 que perderam este sentido temporariamente. Uma equipe multidisciplinar vai atuar em pesquisas que mostrem o impacto do cheio na nossa vida, para trazer emoções assim como seu papel fisiológico. “Para além dos desdobramentos comportamentais, o Centro tem por objetivo contribuir com pesquisas visando a prevenção de diagnóstico de distúrbios que afetam a qualidade de vida. Foi partindo disto que decidimos ir além dos nossos frascos e usar nossa expertise para deixar um legado para a sociedade”, explica César Veiga, expert em fragrâncias do Grupo Boticário. Profissionais de diversas áreas como pesquisadores, médicos, especialistas em neurociência e perfumistas atuarão juntos em algumas frentes como “Ciências das Emoções”, que vai focar na neurociênca e a “Diversidade Sensorial”, que atuará nas diferentes percepções de olfato numa população variada como a nossa.

E mais:

A Galderma anunciou que assinou um acordo definitivo para adquirir a marca premium Alastin Skincare. Os valores do negócio não foram divulgados.

O Grupo L’Occitane está adquirindo 83% das ações da marca da Sol de Janeiro, fundada em 2015 pela CEO Heela Yang, depois de passar um tempo por aqui com seu marido. As vendas online em 2020 da empresa bateram 60 milhões de dólares.

A startup israelense BreezoMeter, especialista em tecnologia e informações ambientais e climáticas, é a nova parceira da L’Oréal. A ideia é mapear o impacto do clima e condições ambientais, como poluição, na pele.

Saiba mais!