Notícias da semana: L’Oréal e Nivea abrem programas para start-ups, Grupo Boticário estuda comprar a Coty no Brasil, Carolina Herrera lança linha de make e o flop da Glossier Play
Futuro

Notícias da semana: L’Oréal e Nivea abrem programas para start-ups, Grupo Boticário estuda comprar a Coty no Brasil, Carolina Herrera lança linha de make e o flop da Glossier Play

por Manuela Aquino

Glossier repensa a operação da linha de makes Glossier Play
Em março do ano passado, as seguidoras da Glossier foram surpreendidas com teaser de uma nova marca, a Glossier Play. As enquetes do Instagram apostavam que seria uma marca de acessórios e até de sex toys. Em alguns dias foi revelado que era uma nova marca de maquiagem. A ideia era ir além do apelo natural da Glossier, injetando cor e brilho no público millennial que curte looks de maquiagem mais expressivos e coloridos. A animação causada, inclusive, por uma conta independente no Instagram, durou pouco. Na prática, o público consumidor era o mesmo e, entrevista ao Business of Fashion, a fundadora Emily Weiss disse que, no fim das contas, eles poderiam apenas ter ampliado a gama já existente de maquiagem em vez de criar uma nova marca. A sua conclusão com a experiência é que a Glossier não precisa de novas marcas para crescer. O objetivo é expandir e não se reinventar (vale lembrar que marca captou US$ 100 milhões de investimento no ano passado e está avaliada em US$ 1.2 bi). Agora, a Play será incorporada à linha de maquiagem da Glossier e não há previsão de lançamentos de novos produtos, ao contrário: a Glitter Gelée, feita com glitter não biodegradável, sai de linha em março.

Carolina Herrera se prepara para lançar uma linha de maquiagem pela primeira vez
A linha de maquiagem de Carolina Herrera ainda não foi lançada, mas deu o ar da graça no desfile da marca que rolou na  semana de moda de Nova York. As modelos usaram dois dos 36 batons que devem chegar ao mercado já já. Nos bastidores, maquiadores tinham em mãos oito tons de pó facial, além de pó matificante universal e iluminador cremoso. A linha, que chega em março na Harrods, em Londres, terá embalagens caprochadas. Os batons, por exemplo, poderão ser customizadas com pingentes. Carolina A. Herrera, filha Carolina Herrera, está a frente da nova empreitada com o título de diretora criativa de beleza.

Grupo Boticário estuda comprar a operação da Coty no Brasil
Depois de arrematar seu terceiro e-commerce, o Beleza na Web, em 2019, o Grupo Boticário estuda mais um passo de expansão para se tornar multimarca e multicanal. Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o CEO do grupo, Artur Grynbaum, deu sinais de interesse na operação da Coty no Brasil. A ideia seria comprar a operação da multinacional de beleza para começar a vender produtos no supermercado e também diversificar o portfolio de cuidados com o cabelo. Aqui a Coty vende marcas como Koleston, Wella, Risqué e Paixão e Cenoura&Bronze.

A Drunk Elephant muda depois de ter sido comprada pela Shiseido?
Um negócio de 845 milhões de dólares colocou a Drunk Elephant no guarda-chuva da gigante japonesa Shiseido, que já é dona de outras marcas, como NARS, Clé de Peau e Laura Mercier. Depois do anúncio da negociação, muitas clientes da marca de indie de skincare se mostraram preocupadas nas redes sociais sobre mudanças nas fórmulas dos produtos. O mesmo aconteceu com a Too Faced, quando foi comprada pela Estée Lauder, e com a Urban Decay foi adquirida pela L’oréal, segundo o portal Bussiness of Fashion. Na entrevista de Marc Rei, chefe executivo da Shiseido e responsável pelos projetos de expansão da marca, veio o alívio: não haverá integração de uma marca com a outra — essa é a última coisa que eles querem fazer. A promessa é que a essência da marca continue a mesma, inclusive sendo cruelty-free. Vale lembrar que a NARS, suas cores e best-sellers, como o blush Orgasm, continuam aí. Então, se você é fã, pode ficar tranquila.

Inovação para o varejo de beleza
Duas gigantes de beleza deram um passo importante para empreendedoras brasileiras. A Nivea lançou o Desafio Nivea em parceria com a aceleradora StartSe. A ideia é buscar talentos que estejam desenvolvendo soluções voltadas para experiência dos clientes no ponto de venda, onde a gente decide se leva este ou aquele produto. A escolha da vencedora será em março. A L’Oréal também se uniu a outra aceleradora, a Fábrica de Startups, para selecionar oito projetos com temas ligados a temas à produção e distribuição das amostras de produtos e vendas. No segundo semestre a gente vai conhecer a finalista. Você encontra mais informações sobre o programa da Nivea aqui e o da L’Oréal neste link.

Posts Relacionados