Simple Organic inaugura primeira loja carbono friendly, Givaudan lança ferramenta social para ouvir consumidores e outras notícias
Futuro

Simple Organic inaugura primeira loja carbono friendly, Givaudan lança ferramenta social para ouvir consumidores e outras notícias

por Manuela Aquino

A loja, com 28 m², localizada no shopping JK Iguatemi, em São Paulo, é a primeira do setor a ser definida como carbono friendly, ou seja, neutra para emissão de gás, no país. Para isso, a Simple Organic usou uma ferramenta de controle de emissão chamada GHG Protocol para calcular e entender o valor necessário a ser compensado e na conta entram energia elétrica, transporte, emissões de ar condicionado, número de funcionários, entre outros marcadores — para que a neutralização seja feita, há uma plataforma de carbono certificada internacionalmente pelas empresas CCB Standards, Gold Standard, Social Carbono e Verra Standard, referências neste ramo. “Quando fomos convidados para ter a loja no no shopping, nos questionamos sobre nosso papel em estar no mercado de luxo. Acreditamos e decidimos fazer algo altamente tecnológico, com experiências e que neutralizasse a nossa emissão de carbono, da mesma forma que fazemos com os produtos. Quando o consumidor compra um item nosso ele tem a confiança de que está fazendo a melhor escolha para transformar o consumo num impacto positivo dentro da questão ambiental e social”, disse para o Belezinha, Patrícia Lima, fundadora da Simple Organic.

Segundo ela, essa é a primeira operação física a ter o selo, mas o objetivo é dar sequência a iniciativa tanto nas lojas próprias como nas franquias. “Ser sustentável não é algo que deve ser tendência de uma marca, precisa ser a obrigação. Falamos constantemente sobre mudança climática, impacto do consumo na sociedade, então a sustentabilidade não é uma escolha. Não entendo como ainda há possibilidade de marcas ignorarem a sustentabilidade, é um comprometimento urgente com o futuro das próximas gerações”, afirma. 

Além da questão do carbono, os investimentos tecnológicos também se destacam quando falamos de autoatendimento — uma necessidade pós-pandemia. Com recurso de inteligência artificial há a possibilidade de acessar um espelho interativo, responder um quiz sobre sua pele e entender os produtos indicados, além de ler sobre os ativos e as certificações, antes da escolha final e do self-checkout. “O mercado de beleza sentiu o impacto e se questionou quando as lojas foram abertas e não tinham mais os testers para uma experiência sensorial. Então, o autoatendimento é uma possibilidade pós-pandemia”, explica. Já para quem faz questão do atendimento regular, a loja também foi adequada com os novos protocolos de segurança. “Adaptamos os testers para placas de alumínio que são constantemente higienizadas. Acredito que essas mudanças no jeito de testar um produto vieram para ficar, as pessoas vão ficar com receio de dividir”, completa.

TOP 5

1. Cetaphil anuncia meta de se tornar carbono neutro até 2022
A empresa pretende atingir 100% de eletricidade renovável em suas fábricas atuais até 2022 e se tornar totalmente neutra em carbono. De propriedade da Galderma, a Cetaphil anunciou seu plano Clear Skies, em quatro frentes: redução do impacto ambiental, ingredientes mais limpos nas fórmulas, embalagens inteligentes e atendimento à comunidade. “Sabemos que a saúde da nossa pele é um reflexo do meio ambiente – fatores como poluição, qualidade da água e clima podem afetar a pele, especialmente a pele sensível”, disse ao site Cosmetic Business, Walter Geiger, chefe da unidade de negócios de consumo global da Galderma. As emissões anuais de CO2 nas fábricas já tiveram redução de 60%. E 95% da eletricidade que abastece vêm de recursos renováveis.

2. BASF investe em medicina tradicional chinesa, microbioma da pele e haircare
A gigante da indústria foi uma das participantes da 26ª edição da International Federation of Societies of Cosmetic Chemists (IFSCC), realizada entre 18 e 28 de outubro. Entre suas principais pesquisas, a medicina tradicional chinesa, o microbioma da pele e a queda de cabelo. Nos estudos sobre pele, a empresa focou em identificar as espécies microbiomas mais prevalecentes na pele de pessoas mais jovens e sua potencialidade para desenvolver soluções que ajudem a preservar uma aparência mais radiante. Já sobre medicina tradicional chinesa, assunto que anda atraindo a indústria cosmética, os cientistas estão aprofundando estudos em três plantas da província de Yunnan, na China, e a eficácia de seus extratos para a pele, principalmente quando se fala em hidratação e revitalização. E, por fim, a queda de cabelo: em parceria com a Universidade de Reims Champagne-Ardenne, os cientistas da BASF desenvolveram um método de avaliação da histologia do cabelo que permite ver a distribuição dos elementos que compõem o fio em sua extensão, assim como as características do folículo.

3. Givaudan lança uma ferramenta social para ouvir consumidores
O DigiPulse, uma ferramenta de Inteligência Artificial, capta as vozes dos consumidores, através de algoritmo, sobre percepções do olfato. Os dados olfativos são decodificados e, assim, as equipes criativas e de perfumistas da empresa são capazes de adaptar suas criações de acordo com o desejo do momentos dos consumidores. A ferramenta é rica, pois vai permitir que mais de 2,5 milhões de comentários, sobre cheiros e até embalagem, em diversas redes sociais virem dados para que os especialistas possam analisar. “É uma forma digitalmente estratégica de capturar feedback de postagens online de consumidores sobre suas impressões de fragrâncias que eles usaram ou experimentaram. A nova ferramenta olfativa nos permitirá coletar respaldo instantâneo não filtrado do consumidor”, explicou Arnaud Guggenbuhl, chefe de marketing global da Givaudan, durante o lançamento. O DigiPulse já está sendo usado na França e será lançado nos Estados Unidos nos próximos meses, seguido por um lançamento global no ano que vem.

4. Escape urinário: Pantys lança calcinha absorvente e Bigfral revela questão em pesquisa
A Dry, da Pantys, é uma calcinha reutilizável para mulheres capaz de absorver até 100ml de urina em casos de escape, que são comuns para quem tem mais de 40 anos e pós-gravidez. Estão à venda no e-commerce da marca e em lojas físicas, por R$ 115, nos tamanhos PP até GG. O escape de urina foi alvo de pesquisa da Bigfral, marca de fraldas e calcinhas descartáveis. Realizada pelo IPEC mostrou que 20% das mulheres tiveram incontinência urinária durante ou após a gestação.

5. O famoso “creme da latinha azul” de Nivea completa 110 anos
Difícil alguém que curta beleza e skincare não ter alguma lembrança ou apego com o creme mais tradicional da Beiersdorf — o mais vendido no portifólio (de mais de 500 itens!) desde 1911. A fórmula é a mesma desde o começo: rica em glicerina e eucerit, um ingrediente hidratante exclusivo. Ainda sobre Nivea, a marca firmou parceria com o Instituto Das Pretas, no Espírito Santo, para dar capacitação a seis mulheres empreendedoras e ativistas para fortalecer o trabalho delas na sociedade. As formações no Cuida De Quem Cuida têm matérias como branding, cybercidadania e planejamento financeiro. Este ano, a marca também se uniu ao AfroHub para dar mentoria focada no afroempreendedorismo.

E mais:

. A Guerlain apresenta a exposição “When Material Becomes Art”, na feira internacional FIAC 2021, com trabalho de 22 artistas internacionais, incluindo o brasileiro Vik Muniz. Dos participantes, quatro terão a receita da venda de suas obras revertidas para a Good Planet Foundation, organização não-governamental para o desenvolvimento sustentável.

. A divisão de embalagens da química Dow desenvolveu um tubo de pasta de dente reciclável, para ser fornecido no mundo todo. É feito com um polietileno de alta tecnologia e a camada de alumínio foi removida.

. IGORA Royal, linha de Schwarzkopf, foi relançada com embalagens sustentáveis: os tubos de coloração com 100% de alumínio reciclado, tampas com 100% de plástico reciclado e embalagens 96% de papel de cana de açúcar.

Saiba mais!