Sex toy sustentável já existe + o futuro da indústria do bem-estar sexual
Futuro

Sex toy sustentável já existe + o futuro da indústria do bem-estar sexual

por Manuela Aquino

Valentino Beauty, a primeira linha de make da marca italiana, será lançada ainda este ano
Prevista para ser apresentada oficialmente em maio, a Valentino Beauty ganha vida como uma linha completa de make com direito a base em quarenta tons, cinquenta cores de batons e mais. “Valentino Beauty entrega sua visão de beleza de acordo com a época em que vivemos, trazendo sua estética inclusiva onde emoções, sonhos e individualidade são essenciais”, disse Pierpaolo Piccioli, diretor de criação, na ocasião do anúncio. Inclusive, foi pensando nessa singularidade, que ele escolheu dezesseis rostos para representarem a linha, ao invés de apenas um. Os detalhes sobre os produtos, como imagens, cores e formulações, serão revelados em um evento na loja de departamentos Selfridges, em Londres, durante o lançamento. Vale lembrar, que apesar de não ter make, Valentino tem tradição em perfumes desde 1975, quando lançou sua primeira fragrância.

Grupo O Boticário anuncia plano de gestão de resíduos com impacto socioambiental positivo até 2030
Recentemente 16 compromissos foram anunciados pelo Grupo O Boticário: a empresa se compromete, por exemplo, a reduzir, reciclar e reutilizar 150% do resíduo sólido gerado em sua cadeia nos próximos dez anos. As metas estão todas reunidas em uma plataforma chamada “Uma Beleza de Futuro” e estão distribuídas em quatro pilares de atuação: neutralizar impacto ambiental, potencializar a conservação da biodiversidade, impulsionar a beleza transparente e alavancar a diversidade e inclusão. Entre as iniciativas está a ampliação do programa de logística reversa, criado em 2006, e que hoje conta com quatro mil pontos de coleta. A outra é o uso do eco álcool, produzido com bagaço de cana, em 100% das fragrâncias ainda este ano. O plano da empresa para 2030 também tem foco no social com o comprometimento de diminuir a desigualdade de 1 milhão de brasileiros. Para isso, serão feitas ações para que resíduos sejam fonte de renda, além de capacitação e incentivo ao empreendedorismo. “Se há quem compre vidro, existe quem o colete e ele pode gerar riqueza”, afirmou Fernando Modé, CEO do Grupo Boticário.

Ácido hialurônico de dentro pra fora
Nos últimos anos, o ácido hialurônico se firmou como um dos ativos mais queridinho da indústria de skincare, reinando em cremes, séruns, e até lip balms. Agora, também aparece em produtos para comer ou beber. Pelo menos na China. A marca de alimentos DTC, famosa no mercado chinês por seus shakes de proteína, começou a fazer gomas de ácido hialurônico sabor pêssego, e a marca de bebidas Wuhan Hankow Er Chang lançou uma água com gás saborizada com o ativo. De acordo com a Frost & Sullivan, o país é o maior produtor de ácido hialurônico do mundo e olha que o mercado é bem lucrativo: só em 2019, gerou 350 milhões de dólares e deve chegar a movimentar 480 milhões em 2024. O investimento em ácido hialurônico para ingerir veio depois de uma mudança governamental quando, no início desse ano, a Anvisa deles o aprovou para uso em alimentos e bebidas. 

Sex toy sustentável já existe
Se você está na onda do sexual wellness e consome produtos íntimos que trazem experiências e benefícios além do simples prazer, agora também pode focar em sustentabilidade. A marca de sex toys Womanizer, criadora do revolucionário sugador de clitóris, lança a versão Premium Eco – no lugar de plástico, ele é feito com um biopolímero oriundo do amido de milho, o que torna o brinquedo biodegradável e reciclável. E, além de substituir o plástico, a Womanizer fez uma parceria com a One Tree Planted, instituição de reflorestamento, para plantar uma árvore a cada unidade vendida. Com o crescimento do mercado de bem-estar sexual, as marcas estão começando a ampliar o olhar para outras questões, afinal, cada vez mais os consumidores querem saber a origem dos produtos e se importa, sim, com os valores éticos e sustentáveis dos fabricantes. Além do mais, questões ligadas à diversidade e inclusão passam a ser exigidas. “O futuro da indústria do bem-estar sexual é abraçar seu papel como um fator de mudança para uma sociedade mais inclusiva”, escreveu Cecile Gasnault, diretora de marca, Smile Makers, que fabrica vibradores, em um artigo imperdível do The Future Laboratory. Para ela, gênero e expressão sexual também moldam nosso bem-estar sexual.

Pesquisa revela comportamento do consumidor de beleza na pandemia
A McKinsey fez um levantamento elaborado chamado “How COVID-19 is Changing the Beauty World”, que demonstra mudanças de comportamento (algumas que já dividimos com você por aqui) que podem ter efeitos nos próximos anos. Segundo a consultoria, o mercado continuou crescendo como nos anos anteriores e se mostrou “resiliente”. No entanto, mesmo com o crescimento dos e-commerces em relação ao ano passado – a Sephora, por exemplo, vendeu 30% a mais -, as vendas online, não foram suficientes para cobrir gastos feitos in loco. A questão está no alto custo da logística, transporte e outros gastos que não há no varejo. A pesquisa ainda confirma o crescimento da tendência do autocuidado e com ela, o aumento na venda de produtos para pele, cabelo , banho e corpo: a maior loja online de moda e estilo de vida da Europa, a Zalando, teve aumento nas vendas de 300% nestas categorias, e a venda de sabonetes de luxo na França aumentou 800% na semana de 16 de março de 2020, quando o país entrava em lockdown. A McKinsey também apontou o aumento da procura por “Do It Yourself”. Por fim, as mudanças que vieram para ficar com essa crise toda são duas: foco no digital e nas inovações. Além de comprar e receber em casa, o consumidor está cada vez mais bem informado, querendo produtos de ponta e em busca de experiências. 

Posts Relacionados