NV Scalp: cuidados para o couro cabeludo de quem usa penteados protetores
Pessoas

NV Scalp: cuidados para o couro cabeludo de quem usa penteados protetores

por Larissa Nara

Josiane Helena de Souza, a.k.a @negravaidosa, tem mais de quinze anos de experiência no mercado de beleza. É estetacosmetóloga, empresária e educadora da Escola Madre, em São Paulo, e começou sua carreira aos 25 anos por um acaso. Ela conta que tinha acabado de se mudar para Curitiba e procurava por um emprego para poder pagar as contas. “Um dia, no ponto de ônibus, enquanto conversava com uma moça que trabalhava em uma grande rede de salões de beleza, soube que tinham vagas abertas. Me candidatei e a gerente me ofereceu a vaga de assistente de cabeleireiro”.

Anos mais tarde deu início ao Negra Vaidosa como uma espécie de provocação ao mercado: queria abrir os olhos da indústria para as necessidades da mulher negra. “Analisava a qualidade dos cosméticos e sempre pensava em como as coisas poderiam ser melhores”, diz. Hoje, aos 40 anos, ela continua se dedicando a estudar profundamente tudo que envolve o tema direta ou indiretamente, dá consultoria para marcas de maquiagem que querem reformular suas cartelas de cores e acaba de lançar sua primeira linha de produtos: a NV Scalp, criada para cuidar do couro cabeludo de quem usa penteados protetores como tranças, dreads e entrelaçamento.

Em desenvolvimento há dois anos, a marca traz tônicos capilares pensados em atender a necessidade de Josi e de outras mulheres negras que relatam coceiras e irritação na raiz dos fios durante os primeiros dias após fazer os penteados. “Quis solucionar essa dor latente para a qual ninguém estava olhando. Fora do Brasil já existem alguns produtos similares, mas por aqui as ofertas são poucas e nenhuma delas é direcionada especificamente para isso”, relata. Ela explica que o tal desconforto, chamado de prurido, é uma reação natural do organismo que acontece por causa da tração do penteado e, em geral, costuma durar de 1 a 2 semanas (dependendo do quanto a profissional tensionou o cabelo na hora de trançar). “Fato é que, por menos apertada que seja a trança, ela ainda é uma forma de agressão leve à raiz do cabelo, o que faz com que o organismo reaja liberando mediadores químicos que iniciam um processo inflamatório (nada mais do que um mecanismo de defesa do corpo) causando irritações”.

A linha estreia com dois tônicos: o Scalp Calm (R$ 49,90), desenvolvido com óleo essencial de alecrim e calêndula, e indicado para frear o processo inflamatório e acalmar o couro cabeludo logo após o penteado. E o Force Scalp
(R$ 41,70), feito com óleo de rícino e óleo essencial de pimenta, que estimula o crescimento capilar e tem ação emoliente e umectante para manter os fios hidratados. “O poder desses ingredientes na hora de cuidar da pele e do cabelo não é novidade para nós da comunidade negra, mas eu busquei embasamento científica de cada óleo até chegar na composição ideal”, conta. Ambos podem ser massageados diretamente no couro cabeludo e estão à venda aqui!

Saiba mais!