Skincare: tempo de simplificar
Futuro

Skincare: tempo de simplificar

por Vânia Goy

Durante muito tempo o termo “skincare” nem existia, era só “cuidados faciais” mesmo, e três passos básicos faziam parte do processo: limpar, tonificar e hidratar a pele do rosto. Nos últimos anos, as rotinas ficaram mais complexas, repletas de possibilidades e texturas inovadoras, além de incontáveis passos inspirados pelas famosas 10 etapas de cuidados das coreanas. 2020, no entanto, terminou com um desejo pelo que é realmen- te essencial e até a rotina facial foi afetada por essa busca. A simplicidade pode sim caminhar de mãos dadas com eficiência e esse movimento ga- nhou até nome: “skip-care” (algo como pular etapas, em tradução livre) e “skin fasting ” (“jejum para a pele”, para colar na febre que virou a prática de jejum intermitente).

“A busca por rotinas de beleza minimlistas é relexo de comporta- mentos contemporâneos que pendem entre uma saturação na hora de acompanhar a velocidade com que novos produtos, rituais e ingredientes surgem e o desejo por um consumo mais consciente, pautado pela preferência por escolhas e rotinas mais sustentáveis pro planeta”, diz Iza Dezon, expert em previsão de tendências e fundadora da Dezon Consultoria Estratégica. Segundo uma pesquisa da Mintel divulgada em agosto de 2019, cerca de 28% das mulheres inglesas estavam reduzindo a quantidade de produtos usada na sua rotina de skincare. Quando a gente olha pra faixa mais jovem — e mais propensa à absorver tendências como k-beauty — esse número sobre para 54% entre as millenials com idades entre 20 e 29 anos.

SEM EXCESSO
A quantidade de novidades e detalhamento das formulações causa mesmo um tanto de ansiedade entre as amantes do assunto. O ritmo de lançamentos da indústria faz parecer que os produtos que temos no armário já são obsoletos e devem, a todo momento, ser substituídos por versões ainda mais surpreendentes e tecnológicas. Dá sim vontade de ter e usar tudo ao mesmo tempo. Mas skincare não é coleção, né? E se você sente que a sua quantidade de potinhos mais parecem uma, a sugestão é começar somando quanto dinheiro investido está parado ali, em cremes abertos e jamais terminados. Lembre-se que a gente tem a vida inteira pra usá-los e, se você tem uma rotina consistente, pode variar e experimentar com regularidade. Compre menos, use até a última gota.

CUIDADO GLOBAL
Essa vontade de simplicidade vai além da quantidade de passos de skincare. Observamos como novas marcas têm procurado cortar excessos em todos os pontos: da quantidade de ingredientes ao design de embalagens e rótulos, decisões conectadas ao impacto que o consumo causa no meio-ambiente. O “menos é mais” invoca um olhar que também privilegia a comunicação transparente sobre composição e origem das matérias-primas, impacto ambiental, o uso de plástico ou vidro pós-consumo, marcas que incentivam o descarte adequado de embalagens e oferecem a opção sempre bem-vinda de refis. Toda escolha conta pra gente e pra natureza.

Foto: Alex Batista
Modelo: Patricia Durães

Posts Relacionados